Você está em: > Caninos e Felinos > Protocolos

Caninos e Felinos >Protocolos

PATOLOGIA MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EXAMES INDICADOS PARA DIAGNÓSTICO
Hipotireoidismo Canino obesidade sem aumento de apetite, letargia, intolerância a exercícios, alopecia, hiperqueratose, seborréia, hiperpigmentação, mixedema de face.

T4 livre por diálise, T4 total, TSH, colesterol, triglicerídeos

Avaliação do tratamento: Dosar T4 total 4 a 6 semanas após início do tratamento com a levotiroxina. Coletar amostra sanguínea 4 a 6h após administração da levotiroxina em animais recebendo a medicação duas vezes ao dia. Coletar amostra sanguínea 6 a 8h após administração da levotiroxina em animais recebendo a medicação uma vez ao dia.
Hipertireoidismo Felino emagrecimento, polifagia, polidipsia, poliúria, aumento da atividade, alterações gastrointestinais, alterações dermatológicas, tireóide palpável, taquicardia.

T4 total, T4 livre por diálise, ALT, AST, uréia, creatinina, fósforo

Avaliação do tratamento: Dosar T4 total 2 semanas após início do tratamento.
Hiperadrenocorticismo Canino polifagia, polidipsia, poliúria, aumento abdominal, fraqueza muscular, obesidade, respiração ofegante, letargia, pele adelgaçada, calcinose cutânea, alterações reprodutivas.

Teste de supressão com baixa dose de dexametasona, FA, ALT, AST, colesterol

Teste de supressão com baixa dose de dexametasona:

  1. Coletar a primeira amostra sanguínea no início da manhã;
  2. Administrar 0,01 mg/kg IV de dexametasona logo após a coleta da primeira amostra sanguínea;
  3. Coletar segunda amostra sanguínea 4h após administração da dexametasona;
  4. Coletar terceira amostra sanguínea 8h após administração da dexametasona.
  5. Dosar cortisol nas 3 amostras sanguíneas.

Teste de estimulação com ACTH (realizar quando há histórico de tratamento com corticosteróides e para avaliação de tratamento):

  1. Coletar a primeira amostra sanguínea;
  2. Administrar 5 µg/kg IM de ACTH sintético logo após a coleta da primeira amostra sanguínea;
  3. Coletar segunda amostra sanguínea 1h após administração do ACTH.
  4. Dosar cortisol nas 2 amostras sanguíneas.
Hiperadrenocorticismo Canino Atípico polifagia, polidipsia, poliúria, aumento abdominal, fraqueza muscular, obesidade, respiração ofegante, letargia, pele adelgaçada, calcinose cutânea, alterações reprodutivas.

Teste de estimulação com ACTH, FA, ALT, AST, colesterol

Teste de estimulação com ACTH:

  1. Coletar a primeira amostra sanguínea;
  2. Administrar 5 µg/kg IM de ACTH sintético logo após a coleta da primeira amostra sanguínea;
  3. Coletar segunda amostra sanguínea 1h após administração do ACTH.
  4. Dosar cortisol e 17-OH progesterona nas 2 amostras sanguíneas.
Hiperadrenocorticismo Felino polidipsia, poliúria, perda de peso, fraqueza muscular, alopecia, polifagia, aumento abdominal, letargia, pele adelgaçada, diarréia.

Teste de supressão com baixa dose de dexametasona:

  1. Coletar a primeira amostra sanguínea;
  2. Administrar 0,1 mg/kg IV de dexametasona logo após a coleta da primeira amostra sanguínea;
  3. Coletar segunda amostra sanguínea 4h após administração da dexametasona;
  4. Coletar terceira amostra sanguínea 8h após administração da dexametasona.
  5. Dosar cortisol nas 3 amostras sanguíneas.
Hipoadrenocorticismo Canino inapetência, letargia, depressão, fraqueza, vômito, perda de peso, diarréia, poliúria

Teste de estimulação com  ACTH:

  1. Coletar a primeira amostra sanguínea;
  2. Administrar 5 µg/kg IM de ACTH sintético logo após a coleta da primeira amostra sanguínea;
  3. Coletar segunda amostra sanguínea 1h após administração do ACTH.
  4. Dosar cortisol nas 2 amostras sanguíneas.
Insulinoma convulsões, fraqueza, letargia, colapso, ataxia, depressão, polifagia, salivação excessiva, vômitos, fasciculações, inquietação, comportamento anormal, embotamento, demência, cegueira.

Insulina, glicose, hemograma completo, ALT, AST, FA, uréia, creatinina.

Avaliação do estro canino   Com a realização da dosagem de progesterona, torna-se possível o acompanhamento da evolução do estro em cadelas, permitindo desta forma que se precise o dia da ovulação, podendo então programar o melhor momento para inseminação ou monta natural, com finalidade de obter o maior número de filhotes.
Síndrome do Ovário Remanescente Canino sinais de cio após a ovariohisterectomia

Progesterona.

Coletar amostra sanguínea no período em que os sinais de cio estiverem evidentes. A coleta de mais de uma amostra sanguínea pode ser necessária com intervalo de no mínimo 7 dias.
Síndrome do Ovário Remanescente Felino atividade de proestro e/ou estro após a ovariohisterectomia

Progesterona.

Administrar hCG (250 UI, IM) ou GnRH (25µg, IM) e coletar amostra sanguínea 5 a 7 dias após a administração da droga.
Criptorquidismo Canino  

Testosterona.

  1. Coletar a primeira amostra sanguínea;
  2. Administrar 44 µg/kg ou 10 UI de hCG logo após a coleta da primeira amostra sanguínea;
  3. Coletar segunda amostra sanguínea 2h após administração do hCG;
  4. Coletar terceira amostra sanguínea 4h após administração do hCG.
Criptorquidismo Felino  

Testosterona.

  1. Coletar a primeira amostra sanguínea;
  2. Administrar 250 UI de hCG IM logo após a coleta da primeira amostra sanguínea;
  3. Coletar segunda amostra sanguínea 1h após administração do hCG;
  4. Coletar terceira amostra sanguínea 2h após administração do hCG.